Mesut Ozil não concordou com o corte de 12.5% de salários a todos os jogadores e staff.

Como muitos clubes neste tempo de pandemia, o Arsenal está com dificuldades financeiras, pelo que decidiu cortar os salários ao staff e jogadores por 12.5% como forma a amortizar o impacto deste período sem futebol.

Esta tem sido uma das medidas mais utilizadas pelos clubes. Já vimos medidas parecidas na Juventus, no Tottenham, até mesmo o Barcelona tentou cortar os salários aos jogadores por 70%.

Os Gunners lançaram um comunicado a confirmar um “acordo” voluntário com os jogadores e com o staff, para cortar os salários em 12.5% anualmente.

Contudo, nesta manhã, o The Mirror, reportou que Ozil, o jogador mais bem pago do Arsenal, não concordou com o corte salarial.

Os motivos para esta recusa, serão que o jogador “quer ver o impacto total da Covid-19 antes de se apressar a fazer decisões”. Mas reforçou que, caso seja necessário, irá respeitar os cortes salariais.

Recordamos que o alemão recebe cerca de €400,000 por semana.